Você está em: Página Inicial > Cotidiano
Greve de caminhoneiros provoca perdas de mais de R$ 4,3 bilhões no Paraná
Valor ainda é preliminar e não inclui todos os setores produtivos do Estado
Por Bem Paraná | Postado em: 01/06/2018 - 10:02

Publicidade

Os primeiros números sobre as perdas do Paraná durante a greve dos caminhoneiros autônomos, que durou dez dias, com rodovias boqueadas e desabastecimento nas cidades, mostra que o Paraná perdeu, pelo menos, R$ 4,3 bilhões no período. Só a indústria calcula prejuízo de  cerca de R$ 3 bilhões com a paralisação da produção no Estado.
Quarta-feira, o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar) divulgou um levantamento inicial com prejuúizo de R$ 1 bilhão somente no setor de cooperativas.

Nesta semana, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), calculou que o Estado pode ter perdido R$ 330 milhões até o dia 29 de maio com a greve dos caminhoneiros. Este também é um número preliminar, e pode ser modesto mais para a frente.
Segundo o presidente da Fiep, Edson Campagnolo, cerca de 90% das indústrias do Paraná, que são micro, pequenas e médias, terão dificuldades para cumprir a folha de pagamento neste final de mês e honrar outros compromissos como pagamento de impostos e duplicatas.
Com fim da paralisação, das 25 unidades cooperativas no Esatado,  16 já haviam retornado a normalidade até ontem e outras nove também retomam suas atividades.

Mas a normalidade ainda deve demorar mais um tempo. Na conta da Ocepar não está o prejuízo com produtos industrializados estocados e que agora precisam passar por avaliação técnica se podem ou não ser comercializados, o que deverá aumentar ainda mais os prejuízos com possíveis descartes.
Queda
No comércio, a CNC revisou sua projeção de crescimento nas vendas do varejo em 2018, de 5,4% para 4,7%. Essa perda de 0,7% na estimativa representa mais de R$ 5 bilhões, e contando apenas os reflexos diretos dos dez dias de protesto dos caminhoneiros.

Caminhões voltam a descarregar no Porto de Paranaguá

Após nove dias sem registrar a entrada de caminhões carregados de produtos, o Porto de Paranaguá voltou a receber suas primeiras cargas na tarde de quarta-feira. Às 14 horas, os primeiros veículos deram entrada no Pátio de Triagem para aguardar o chamamento e descarregar nos terminais. Em duas horas de operação, 52 caminhões chegaram ao porto. A entrada do Porto pela BR-277 foi um dos pontos de maio tensão durante a greve com bloqueios de rodovias no Paraná. 

“No período de greve deixaram de ser movimentadas no Porto de Paranaguá 648 mil toneladas de produtos, incluindo líquidos, cargas gerais, grãos, fertilizantes e outros”, informou o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), Lourenço Fregonese. Desde o início da paralisação, 18 mil caminhões deixaram de descarregar no Porto de Paranaguá.

Até a quarta-feira, 37 navios aguardavam na baía de Paranaguá para descarregar ou carregar cargas no Porto. Outros 10 navios estavam atracados, sendo que cinco deles estavam operando normalmente.

Últimas Notícias
Cotidiano 18 Set às 15:56
Ela estava internada há 19 dias
Cotidiano 18 Set às 15:37
O trator foi adquirido com recursos federais no valor de R$ 97,5 mil.
Cotidiano 18 Set às 14:47
Os bombeiros voluntários continuam no local
Cotidiano 18 Set às 11:35
Serviço estará disponível a partir do dia 1º de outubro e deverá ser solicitado por meio de protocolo, no Paço Municipal.
Cotidiano 18 Set às 11:31
Evento está programado para o próximo sábado (22)
Cotidiano 18 Set às 11:17
Desse total de mortes, 5,4 milhões delas ocorreram com crianças de menos de cinco anos
Cotidiano 18 Set às 11:07
Apenas 40 municípios do Paraná receberão a Caravana Literária
Cotidiano 18 Set às 10:41
Pacto Global é uma das iniciativas da Organização das Nações Unidas (ONU) que busca reunir esforços para incentivar práticas que promovam o desenvolvimento sustentável.
Cotidiano 18 Set às 10:19
Campanha Setembro Amarelo tenta inibir casos como este e alerta para os sinais
Portal Nova Santa Rosa
Tecnologia e desenvolvimento